Oficina Põe no Papel

Mulheres Inspiradoras: Pilar del Río

Home  >>  Blog  >>  Mulheres Inspiradoras: Pilar del Río

As resenhas dessa semana vão falar sobre mulheres inspiradoras por que estamos na semana de luta internacional pelos direitos das mulheres. Escolhi falar de Pilar del Río, Olga Benário e das editoras da Revista Capitolina, primeiro por que elas estão na minha estante de livros e me ensinaram coisas importantes sobre a vida. Muitas outras deveriam ser citadas aqui, então cada dia dessa semana vou fazer um post especial sobre mulheres na música, na literatura, na política e outras artes.

Começando por ordem de influência na minha vida:

José e Pilar

José e Pilar é um livro de Miguel Gonçalves Mendes que reúne as entrevistas coletadas durante o período de gravação do documentário homônimo. E como Valter Hugo Mãe reconhece no prefácio, é a esposa de Saramago que se destaca na obra: “A par de tantas declarações e explicitações de Saramago, é o retrato de Pilar que adquire uma força impressionante, força que creio já não surpreender ninguém […]” – pg.11

Daqueles livros que a gente coloca na parede <3

Pilar del Río nasceu em Sevilha e cresceu sob a ditadura de Salazar em uma família de quinze irmãos. É jornalista e traduziu os livros do Saramago para o Espanhol. Seu exemplo pra mim vem da sua convicção é como se ela sempre tivesse uma opinião muito bem formada sobre tudo e não se cansa nunca de militar em todas as causas possíveis. Minha citação favorita vem justamente do capítulo em que ela fala sobre o cansaço da nossa geração:

“Primeiro, porque aprendi uma coisa que me propus como norma de vida quando era pequena: para descansarmos temos a eternidade, quando morrermos, descansaremos. Segunda coisa que aprendi: não há nada mais repugnante que… bem, sim, há muitas coisas repugnantes, mas também é repugnante queixar-se. Que horror! Ou seja, estar cansado quando nos corre o sangue nas veias, o que é um privilégio. Nada mais nada menos que o privilégio de estarmos vivos…” -pg.35

Sempre que eu me sinto desanimada ou acho que tudo está difícil eu releio esse trecho e percebo que não há absolutamente nada que impeça o meu caminho além de mim mesma. Obrigada Pilar.

Essa semana ainda vamos falar de Olga Benário e da Revista Capitolina, siga a Oficina Põe no Papel no facebook e no Instagram pra não perder a novidades!

A gente se vê no próximo post,

leila2


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *